Condicionamento de Ar Eficiente

Ar condicionado eficiente e projeto predial que maximiza o resfriamento natural auxilia no melhoramento da eficiência energética

Medidas de eficiência energética podem reduzir a eletricidade usada para o condicionamento de ar em 60-75%. Foto por on1stsite licenciada sob creative commons

 

 

Um edifício bem projetado pode reduzir a demanda por refrigeração e aumentar o conforto térmico dos seus ocupantes. O tamanho e os custos de funcionamento do ar condicionado podem ser significativamente reduzidos por:

  • Minimização do ganho solar (por orientação adequada e sombreamento)
  • Melhora da inércia térmica (através da minimização da sensibilidade térmica do edifício)
  • Utilização da ventilação natural
  • Design eficiente e uso racional do sistema de ar condicionado[1].

Em edifícios comerciais no Brasil, quase a metade da demanda elétrica é devida ao uso do ar condicionado [2]. Medidas de energia eficiente em edifícios comerciais no Brasil podem reduzir a energia utilizada para o condicionamento de ar em 60-75% [3].

Funcionamento do Ar Condicionado

Em edifícios comerciais e públicos, os sistemas de ar condicionado devem ser flexíveis de modo que possam ser usados apenas quando e onde forem necessários. Isso melhora a eficiência energética e o conforto térmico dos usuários do prédio. Onde o resfriamento ativo é necessário, sistemas de refrigeração mecanizada (ventiladores) são mais eficientes do que ar condicionados e geram menos emissões de carbono. Esses devem ser usados sempre que possível. O sistema de ar condicionado deve ser instalado com eficiência em mente – dutos e linhas de refrigeração devem ser cuidadosamente planejados e bem isolados para maximizar o potencial de refrigeração e eficiência energética [4].

Uma simples estratégia de controle da temperatura pode resultar em uma economia de até 50% de energia de resfriamento e até 60% de energia para ventilação sem comprometer o conforto térmico. Controlar a temperatura durante o horário de trabalho e permitir que ela flutue em outros horários pode resultar em economias significativas [5]. Uma análise completa dos edifícios deve ser realizada, que deve ser seguida pelo desenvolvimento de uma estratégia racional do uso do ar condicionado.

Condicionamento de Ar através de Energia Solar Térmica

Este sistema aproveita a energia térmica do sol para acionar chillers. Ele está se tornando cada vez mais comum, apesar de não ser ainda amplamente disponível no Brasil. Dada a natureza renovável da rede energética brasileira, o sistema traria poucos benefícios quanto à redução das emissões de gases de efeito estufa noRio de Janeiro. Além disso, as implicações de custos de tais sistemas não são claras – eles acrescentam custo inicial e complexidade aos projetos. Veja o artigo sobre Refrigeração Solar Térmica nesta ferramenta.

Sistema de Ar Condicionado Split

Quando são usados aparelhos menores de ar condicionado split, as unidades devem ter alta eficiência energética –  de preferência com um índice de eficiência de pelo menos cinco estrelas.

Recuperação de Calor

O calor é um subproduto inevitável do ar condicionado, que normalmente é desperdiçado – muitas vezes contribuindo para o acúmulo indesejado de calor urbano. Este calor pode ser reaproveitado para aquecer água. Isto seria particularmente útil no setor residencial doRio de Janeiro, onde ar condicionado e chuveiros elétricos são responsáveis por um grande consumo de eletricidade. Veja o artigo sobre o condicionamento de ar e aquecimento de água nesta ferramenta

Referências

  1. O. D. Corbella, “Learning from Built Examples in Rio de Janeiro: 18th Int. Conference on Passive & Low Energy Architecture,” 2001. [Online]. Disponível em: http://www.usp.br/fau/cursos/graduacao/arq_urbanismo/disciplinas/aut0264/Material_de_Apoio/Corbella_Yannas_2001_Rio.pdf [Acessado em: 17-Out-2012].
  2. T. R. M. T. Konigami, “EFICIÊNCIA ENERGÉTICA EM EDIFICAÇÕES COMERCIAIS, DE SERVIÇOS E PÚBLICAS,” Master’s Thesis, UFBA, 2011. [Online]. Disponível em: http://www.ppgee.eng.ufba.br/teses/99424061e9e771b735f8e7056f6ba3d8.pdf [Acessado em: 17-Out-2012].
  3. H. Geller, de M. J. Gilberto, R. Schaeffer, and M. T. Tolmasquim, “The Efficient Use of Electricity in Brazil: Progress and Opportunities,” Report, American Council for an Energy-Efficient Economy. Washington DC, 1997.
  4. Cairns Regional Council, “Sustainable Tropical Building Design: Guidelines for Commercial Buildings,” 2011. [Online]. Disponível em: http://www.cairns.qld.gov.au/__data/assets/pdf_file/0003/45642/BuildingDesign.pdf [Acessado em: 17-Out-2012].
  5. I. M. Budaiwi, “Air Conditioning System Operation Strategies for Intermittent Occupancy Buildings in a Hot-Humid Environment,” Eighth International IBPSA Conference, 2003. [Online]. Disponível em: http://www.ibpsa.org/proceedings/BS2003/BS03_0115_122.pdf [Acessado em: 17-Out-2012].